domingo, 26 de março de 2017

Não seja o pato da bolsa de valores

Escritor: Marcelo Montandon Jr

Edição Digital, Kindle

A razão pela qual a bolsa de valores não atrai os pequenos investidores no Brasil é única: ignorância. As pessoas desconhecem o significado do mercado de capitais para o país.

Acreditam que é um antro de pecados e malfeitores. Os que se aventuram, quase sempre perdem o dinheiro investido e propagam a mesma ideia. Fuja deste paradigma!

O mercado de ações é vital para o desenvolvimento de um país. Lá, as empresas buscam dinheiro a baixo custo, sem juros, para novos investimentos, no intuito de aumentar os negócios, gerando lucro para os acionistas, criando empregos, pagando melhores salários e aumentando arrecadação tributária. Um ciclo virtuoso em que todos ganham.

O pequeno investidor ganha duplamente, com o crescimento da empresa e com a participação nos lucros. Contudo, o investidor precisa fazer a sua parte. Disciplina, conhecimento e dedicação são imprescindíveis. Não há outro caminho. Fuja das falácias do dinheiro fácil no curto prazo. Não caia nessa, é fria.

Outro ponto importante: seja sócio das boas empresas e das grandes ideias. Não seja sócio das dívidas e da má gestão. É preciso selecionar as melhores companhias.

Este livro tem o objetivo único de mostrar ao pequeno investidor iniciante os caminhos corretos e mais curtos para o sucesso, evitando as numerosas armadilhas do mercado. A minha trajetória foi muito difícil. Este é meu nono ano no mercado acionário, de amador a profissional. Atualmente sou um investidor qualificado e analista profissional CNPI-T, mas mesmo assim, a minha vontade em repassar os ensinamentos do dia a dia para os meus leitores é muito grande, o que me faz continuar a escrever sobre o tema.

Tenho a convicção de que após a leitura deste livro você terá mais subsídios e segurança para enfrentar o mercado de ações. Mas, não se esqueça: não existem dicas milagrosas e nem receitas fantasiosas. É preciso muita dedicação e paciência. O êxito somente acontecerá no longo prazo.

domingo, 12 de março de 2017

Saga brasileira - a longa luta de um povo por sua moeda


Resultado de imagem para saga brasileira









Editora: Record

Escritora: Miriam Leitão

Sinopse: Saga brasileira: A longa luta de um povo por sua moeda, de Miriam Leitão, é um livro definitivo sobre a história econômica recente do país. Misturando análise econômica com histórias individuais de brasileiros e brasileiras, Miriam traça a trajetória da moeda no Brasil desde a hiperinflação, passando por variadas indexações, congelamentos, confisco de poupança, planos econômicos diversos. E mostra como a busca pela estabilidade monetária tornou-se elemento fundamental na construção de um caráter nacional.
Dentro dos gabinetes dos governos e das salas das famílias, uma grande história foi vivida. Milhões de pessoas participaram da construção coletiva que não teve figurantes. Foram, todos, peças centrais de uma grande saga”, escreve Miriam.
Do descontrole inflacionário – 13,3 trilhões por cento foi a inflação acumulada nos 15 anos que antecederam o Plano Real –  ao equilíbrio dos dias de hoje, algumas gerações de brasileiros sofreram enormes perdas, conheceram sucessivos planos econômicos, enfrentaram desabastecimento, aprenderam a fazer as contas mais sofisticadas para simplesmente comprar pão. O brasileiro trocou de moeda cinco vezes em oito anos, suportou agressões a seus direitos de cidadão, enfrentou filas, varou noites, perdeu renda, patrimônio e, em não poucos casos, a saúde física e emocional.
Mas também reagiu e acreditou quantas vezes foram necessárias. Miriam lança mão de sua vasta experiência jornalística aliada a uma sensibilidade ímpar para contar esta história neste livro essencial.

O que achei do livro: Não esperava gostar tanto de um livro como gostei deste. Consegui ler em apenas 2 dias. Me emocionou bastante pois comecei imaginar o quanto o meu pai sofreu sem falar nada. Me recordo de todos os planos (tenho 46 anos) mas, não consegui ter esta precisão nos detalhes que a Miriam tão bem relata.

Me recordo que na noite do Plano Collor fui para uma festa no Rio, e meu pai fez o impossível para conseguir um dinheiro para que eu pudesse viajar. Engraçado que a ficha não caia. Acho que estávamos tão anestesiado com a crise, inflação e toda a sacanagem que, qualquer novo plano não impressionava mais. 

Também não sei dizer se esta era uma atitude dos jovens na época, que não davam tanta atenção, só sei que me senti mal lendo este livro pelo relacionamento com meu pai, de talvez ter sido tão insensível com ele, quando ele sofria em silêncio, e eu me divertindo.

Vale a pena rever toda esta saga e acho que a Miriam já deve ter material suficiente para a saga 2.